domingo, 23 de abril de 2017

Superliga Feminina de Vôlei - Final




Decisão da Superliga Femina de Vôlei entre Rio de Janeiro e Osasco. Jogo único e partida entre as duas equipes hegemônicas do nosso vôlei na Arena da Barra.

Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

No primeiro set, o Rio saiu na frente com dois pontos seguidos de Gabi. Osasco reagiu com um ponto, mas as cariocas mantiveram na ponta e abriram 5 a 1. O treinador Luizomar Moura pediu tempo para colocar as paulistas de volta no jogo. Com dois pontos seguidos, Osasco reagiu. O time começou a entrar mais no jogo, mas o Rio seguiu com a vantagem, 9 a 5. Em erro de saque carioca, a diferença caiu para três pontos, 11 a 8. Bjelica marcou para Osasco e em um ace depois a diferença caiu para apenas um ponto. Após parada, o empate do Osasco. Monique marcou e recolocou o Rio na frente. As visitantes não deixavam as adversárias abrirem vantagem e o jogo seguiu ponto a ponto revezando. Com ace de Tandara, o Osasco tomou a frente no placar pela primeira vez, 15 a 14. As cariocas reagiram e abriram três pontos de vantagem, 18 a 15. De novo Osasco buscou e tirou a diferença, 19 a 17. As cariocas tentavam esticar o placar novamente, mas Osasco reagia e a diferença ficava na casa dos dois pontos, 21 a 19. No bloqueio de Juciely, a vantagem se ampliou e no ponto seguinte ponto de novo para as cariocas, 24 a 19. No bloqueio triplo, primeiro set fechado, 25 a 19 para o Rio.

Segunda parcial e o Rio saiu na frente. As donas da casa abriram 3 a 1. Osasco buscava encostar mais no placar, porém o Rio mantinha os dois pontos de dianteira, 5 a 3. Em falhas cariocas, Osasco buscou o empate em 6 a 6. Mas o Rio de Janeiro não deixava barato e fez três pontos para recuperar a vantagem. Depois da parada técnica, as cariocas seguiram na frente e mantinham a vantagem em três pontos, 11 a 8. Em erro do Rio e em bloqueio preciso, o Osasco tirou a diferença para um ponto, 12 a 11. Em outro bloqueio, com Tandara, Osasco empatou. O jogo pegou fogo e as equipes se revezaram na pontuação. Quando um time parecia querer disparar na frente, o outro buscava o ponto e ninguém abria mais de um ponto de vantagem. Placar 17 a 17 e depois 19 a 19. A partida era digna da grandeza das duas equpies e o empate persistia, 22 a 22. Na reta final, Osasco abriu dois pontos pela primeira vez no jogo e teve o set point nas mãos. Em um rali impressionante, Tandara carimbou o chão e fechou o set, 25 a 22 para o Osasco. 


Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Terceiro set e um começo mais equilibrado, mas com o Rio na frente em um belo ace de Carol, 3 a 1. As paulistas buscaram o empate e se recolocaram de novo na briga. Paula soltou o braço e o Osasco tomou a ponta. Com Paula inspirada, o Osasco se mantinha vivo e na frente, 5 a 4. As cariocas reagiram e abriram dois pontos de vantagem, 7 a 5. Com grande rali e defesa incrível carioca, placar ampliado para 8 a 5. Tandara voou no meio de quadra e recolocou o Osasco na luta, 8 a 7. Bia fez em seguida e empatou o jogo. 
Com parada de jogo, o Rio se ajeitou e abriu de novo, 11 a 8. Osasco escalou de novo no placar e tirou a diferença que tinha para as cariocas, 12 a 11. O Rio conseguiu manter a vantagem na casa dos dois pontos e Tandara era quem comandava as paulistas no outro lado. Em falha carioca, empate em 14 a 14. Mais um set sem uma equipe favorita, as duas mostrando tudo o que sabem e o empate prevalecendo. Com dois pontos seguidos, Osasco conseguiu abrir vantagem, 17 a 15. 
Após parada de Bernardinho, o Rio melhorou e novamente empatou o jogo. Com Drussyla, o Rio tomou a frente, 18 a 17. Juciely tirou bem a bola da marcação e colocou o Rio em boa vantagem, 20 a 17. Com erros dos dois lados, a vantagem carioca se manteve em dois pontos, 21 a 19. Os erros permaneciam e Osasco marcou de novo. As paulistas não desistiam e novamente empataram a partida, 22 a 22. Com a força do bloqueio e contando com erros do Osasco, o Rio de Janeiro fechou o jogo em 25 a 22. 

Quarto set e o Osasco saiu na frente, mas nada de disparar, jogo empatado. As paulistas vinham melhor e abriram 5 a 2 com um toque na rede do Rio. As cariocas buscavam a reação, porém erravam bstante e a desvantagem permanecia em três pontos, 7 a 4. Com Drussyla no comando, o Rio tirou a diferença e voltou ao páreo, 8 a 7. O Osasco voltou da parada técnica acordado e abriu quatro pontos, 11 a 7. O jogo das paulistas seguiu dominante e a vantagem permanecia. Com a desvantagem em seis pontos, 13 a 7, o Rio foi para o tudo ou nada do set e conseguiu marcar dois pontos seguidos. Em grande rali, o Osasco marcou novamente e voltou ao controle. Placar 15 a 9. Os erros cariocas se ampliavam e a desvantagem também, 18 a 9. Nada parava Tandara e o time paulista, 19 a 10 e set mais do que encaminhado. Nessa hora, foi o Osasco que começou a errar e o Rio tirou a desvantagem para cinco pontos, 19 a 14. Luizomar Moura, o treinador paulista, pediu tempo para controlar as jogadoras. O Osasco freou a reação adversária e se encaminhou para a decisão do set, 22 a 15. Na reta final do set, nove set points para o Osasco, com 24 a 16. As paulistas desperdiçaram dois set points, mas no terceiro o toque na rede deu a vitória para as paulistas, 25 a 17. 

No quinto e decisivo set, o Rio saiu na frente com Gabi. Osasco empatou com Paula, mas o Rio voltou a frente com Juciely, que fez dois pontos seguidos, 3 a 1. Inspirada, Juciely mandou a bola na diagonal e fez mais um, 4 a 1. As cariocas estavam atropelando com Juciely, e a vantagem saltou para cinco pontos, 6 a 1. No rali, Juciely, sempre ela, marcou de novo e o time abriu 7 a 2. Com toque na rede, 8 a 2 para as cariocas. Perfeita, Juciely fez o quarto ponto em nove e o time já tinha seis de vantagem, 9 a 3. Osasco sentiu o jogo e Carol marcou o décimo ponto carioca. Nada dava certo para o Osasco e mais um ponto carioca saiu depois do tempo técnico, 11 a 3. Com dois pontos seguidos, Osasco tentava remar contra o desfavorável placar. Drussyla, no ataque, fez o dela e 12 a 5 Rio. Ace carioca e 13 pontos. Dani Lins fez o sexto ponto paulista, mas a resposta era em pontos também. 14 a 6. No match point, Monique carimbou o ataque e é o campeão da Superliga Feminina, 15 a 6. 

Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV


Este é o décimo segundo título carioca da competição na décima primeira final contra o Osasco. Festa da equipe mais hegemônica do vôlei no oitavo título sobre o Osasco. 

sábado, 22 de abril de 2017

Superliga Masculina de Vôlei - Semifinal Jogo #3




Semifinal da Superliga Masculina e tivemos jogos nessa sexta e sábado entre Sesi e Taubaté e Cruzeiro diante do Campinas. 

Foto: Bruno Miani/Inovafoto/CBV

No jogo de sexta, o Taubaté recebeu o Sesi, podendo se classificar para a final caso vencesse. E o primeiro set foi disputadíssimo, tanto que foi o mais longo desta edição da Superliga. O Taubaté começou melhor e abriu 3 a 0, com Lucarelli no saque. A equipe da casa ampliou a vantagem para 5 a 1 e manteve os quatro pontos de dianteira até os 12 a 8. O Sesi reagiu e tirou a diferença para um ponto, 14 a 13. Mas, os donos da casa, comandados por Lucas Lóh e Otavio no saque, abriram o placar para 19 a 13. Com Lucão muito bem nos saques, o time visitante tirou a diferença para três pontos, 23 a 20, e empatou o jogo em 24 a 24. A partir daí, o set virou um revezamento de pontos e não parecia acabar, até bloqueio de Théo sobre Lucas Lóh que deu a vitória do set para o Sesi.

Na segunda parcial, o set começou comandado pelo Taubaté, que abriu quatro pontos de vantagem, 8 a 4, com Wallace. A vantagem seguiu durante todo o set na casa dos três pontos e o Sesi não conseguiu reagir da mesma maneira que havia feito no primeiro set. Assim, set fechado em 25 a 21 para o Taubaté e jogo empatado em 1 a 1. 

Seguindo a tônica dos sets anteriores, o terceiro começou com o Taubaté saindo na frente, 6 a 4, e o Sesi correndo atrás e empatando o jogo em 9 a 9. Com Wallace e Lucarelli no comando, os donos da casa abriram 15 a 11. O Sesi correu atrás e tirou a diferença para dois pontos, 16 a 14, e parecia dar novamente trabalho aos adversários. Mas, não foi o suficiente e o Taubaté seguiu dominante e venceu bem o set por 25 a 19. 

O quarto set começou equilibrado, com as equipes seguindo revezando nos pontos, até chegarem em 6 a 6. O Sesi tomou a frente, 7 a 6, levou a virada e retomou a ponta com dois pontos seguidos de Riad, que deixaram o time com 11 a 9 no placar. Os visitantes deslancharam e abriram 15 a 11 e depois 17 a 12, forçando pedido de tempo do treinador do Taubaté, Cezar Douglas. Quando o placar marcava 21 a 15 para o Sesi, o Taubaté buscou uma reação, mas foi tarde e o placar já estava 24 a 21. No final 25 a 21 para o Sesi. 

No set decisivo, o tie-break, começo disputado, com nenhuma equipe conseguindo abrir e o marcador ficando em 6 a 6. No meio do set, o Sesi se aproveitou dos erros adversários e tomou a ponta, abrindo 8 a 6. O placar ampliou e foi para 10 a 6 e depois 11 a 7. O Taubaté tentou um último esforço, tirando a diferença para três pontos, 12 a 9, mas levou outra sequência mortal de pontos e perdeu por 15 a 10. Théo foi o maior pontuador da partida, com 31 pontos, enquanto Wallace fez 26 para o Taubaté. 

Confira os melhores momentos da partida em vídeo AQUI





Com a vitória, o Sesi se mantém vivo na Superliga e precisa vencer os dois próximos jogos para passar. Já o Taubaté precisa vencer o próximo jogo que passa para a final.


Foto: Pedro Vilela/Inovafoto/CBV
Em Minas Gerais, o Cruzeiro recebeu o Campinas. De um lado, os mineiros precisavam de apenas uma vitória para estar na decisão, enquanto os visitantes tinham que vencer a todo custo para seguirem vivos na série.

E jogando em Contagem, os mineiros fizeram valer o fator casa para já atropelarem no primeiro set. O time fez 5 a 1, com Simon no saque. O Campinas reagiu e a diferença caiu para dois pontos, 6 a 4. Mas, a reação do time no set parou por aí, porque depois apenas o Cruzeiro jogou. Os donos da casa abriram para 10 a 5 no placar e depois 15 a 7, quando o treinador campinense Horacio Dileo pediu tempo. O time celeste fez 18 a 10 e com Evandro 21 a 11. Isac, com um ace, fez 25 a 12.

No segundo set, novamente o Cruzeiro saiu disparado, abrindo 6 a 1. O Campinas correu atrás e conseguiu tirar parte da diferença, ficando três pontos atrás, 9 a 6. William e Isac atormentavam a defesa adversária e levaram o time a reabrir a vantagem, sete pontos e 14 a 7. Mesmo com o treinador Horacio Dileo parando o jogo, os cruzeirenses não diminuiram o ritmo e com facilidade fizeram 20 a 11. No final, set fechado em 25 a 18.

Precisando vencer ou vencer, o Campinas entrou dando o sangue no terceiro set. A parcial começou equilibrada e o Campinas chegou a abrir 5 a 3 para depois ampliar em 8 a 5. O Cruzeiro reagiu, mas os paulistas seguiram melhores e conseguiam manter a vantagem na casa dos três pontos. Novamente, o time celeste buscou a reação e com Leal bloqueando empatou o jogo em 16 a 16. Comandados por Leal, os donos da casa conseguiram abrir três de vantagem, 20 a 17. A equipe mineira chegou a marcar 24 a 21, mas desperdiçou os set points a ponto de levar o empate em 24 a 24. Mas, na hora crucial, Evandro apareceu e marcou dois pontos seguidos para dar a vitória ao Cruzeiro. Final 26 a 24. Leal foi o maior pontuador da partida, com 15 pontos. No lado do Campinas, Diogo fez 11.

Sétima final seguida do Cruzeiro, que perdeu apenas um jogo nessa Superliga, sendo que esta derrota foi com time reserva na última rodada da primeira fase. A equipe perdeu apenas 13 sets na competição e chega mais do que favorita para o título, independente do adversário.

O quarto jogo da semifinal da Superliga, entre Sesi e Taubaté, será dia 27, às 19:30, com transmissão do Sportv.

Champions League Feminina - Semifinal




Se a Liga dos Campeões masculina teve recém finalizadas as quartas de final, no lado feminino começaram nesse sábado as semifinais. O Manchester City encarou o Lyon e o Barcelona jogou diante do Paris Saint-Germain.

Kumagai comemora o gol logo no começo de jogo - Foto: Sportslife/UEFA/Divulgação


Em Manchester, no Mini Stadium, o City encarou as atuais campeãs da competição, a equipe do Lyon. E o jogo não começou fácil para as donas da casa. Logo aos dois minutos, mão na bola de Lloyd e pênalti. Kumagai cobrou e não desperdiçou, 1 a 0 Lyon. O jogo seguiu duro e as francesas vinham com mais perigo ao gol inglês. Mas, quem marcou dessa vez foram as donas da casa. Aos 10, Toni Duggan lançou Asllani, que de frente para o gol não desperdiçou, 1 a 1. 
O Lyon não sentiu o golpe e seguiu em cima das adversárias em busca do gol. A pressão deu resultado e aos 16 minutos, quando Abily tocou para Marozsán marcar o gol da virada, 2 a 1 Lyon. 
A partida esfriou e na segunda etapa o jogo ficou mais violento, com um revezamento de faltas entre as equipes. Aos 23, quando mais nada parecia acontecer, Houara cobrou escanteio e Le Sommer apareceu na primeira trave para marcar, 3 a 1 Lyon.

Para ver os lances do jogo em vídeo confira AQUI


Cristiane fez a diferença no PSG - Foto: Sportslife/UEFA/Divulgação

No outro confronto, o Barcelona recebeu o PSG. E, mesmo jogando fora de casa, o time que tem Formiga e Cristiane foi pra cima. Em cruzamento de Diallo, aos 26, Delie dominou, girou sobre a marcadora e chutou fora do alcance da goleira Paños, 1 a 0 PSG. E aos 35, na segunda jogada que o PSG consegue armar contra o Barcelona, cruzamento da direita de Delie e Cristiane cabeceou certeira pro gol, 2 a 0 PSG.
Na segunda etapa, o domínio francês seguiu e o Barcelona tentou mudar o estilo de jogo, sendo mais ofensivo, para buscar o gol. No entanto, aos 8 da etapa final, Cristiane encontrou Cruz Traña, que arriscou o chute e fez um belo gol, 3 a 0 PSG. As catalãs foram pra cima e fizeram todas as alterações permitidas para conseguir um gol salvador. O time adversário, ao contrário, segurou bem o jogo e povoou mais o meio campo para segurar os ímpetos do Barcelona. Mesmo Cristiane foi substituída na reta final de jogo. 
Na bacia das almas, aos 44 minutos, Latorre recebeu lançamento do campo defensivo, esperou a bola e a bola enganou a marcadora. A atacante ficou com a bola na sobra e tocou na saída da goleira para marcar o gol de honra catalão. O Barcelona fez pressão, adiantou as marcadoras mas não houve tempo para mais nada. Final 3 a 1. 



A volta das semifinais será na semana que vem, também no sábado e provavelmente com transmissão das páginas de PSG e Lyon.

domingo, 16 de abril de 2017

F1 2017 - GP do Bahrein



Uma semana após o GP da China, a Fórmula 1 volta com o GP do Bahrein. A disputa na classificação foi revezada no Q1 e no Q2, com as Ferrari e Red Bull dividindo espaço com as Mercedes. No Q1, Carlos Sainz, Stoffel Vandoorne, Sergio Perez, Marcus Ericsson e Kevin Magnussen ficaram de fora. Destaque para Sainz e Perez, que teoricamente tem carros melhores, que ficaram de fora.

No Q2, Daniil Kvyat, Lance Stroll, Pascal Wehrlein, Esteban Ocon e Fernando Alonso caíram, com destaque para Stroll, que ainda não se acertou tão bem na Williams. Já no Q3, as Mercedes colocaram o que tinham de melhor e Valtteri Bottas superou Lewis Hamilton para marcar a pole position. Logo atrás das flechas prateadas, Sebastian Vettel, depois Daniel Ricciardo, seguido por Kimi Raikkonen, Max Verstappen, Nico Hulkenberg, Felipe Massa, Romain Grosjean e Jolyon Palmer. 

Foto: AP
Na largada, Bottas manteve a ponta, seguido por Vettel, que passou Hamilton. Massa saiu bem e brigava pela quinta posição com Ricciardo. Verstappen pulou também para o quarto lugar. Os líderes vinham próximos, sem se distanciarem e com Bottas tendo Vettel colado. Raikkonen tentava encostar em Massa pela sexta posição. Destaque negativo para Vandoorne, que nem largou na prova por problemas com a Mclaren.

Vettel procurava espaços para passar Bottas, mas ainda não conseguia superar a velocidade de reta da Mercedes. Segurando Vettel, Bottas segurava assim os cinco primeiros em ritmo. Hamilton vinha encostado em Vettel e Verstappen já chegava no inglês com menos de um segundo de diferença. Ricciardo era o próximo da fila que se aproximava podendo usar a asa móvel contra o companheiro de time.

Na oitava volta, Raikkonen colocou a força do carro na reta e passou Massa. Magnussen teve problemas de potência no carro e recolheu para abandonar na nona volta com a Haas. Volta 11 e Vettel foi para os boxes, com o alemão colocando pneus supermacios e voltando em décimo terceiro. Verstappen parou na volta seguinte e também colocando pneus supermacios. E o holandês escapou sozinho com problemas de freio e abandonou. Raikkonen foi na volta 13 aos boxes e colocou pneus supermacios.

E na volta sem fim, volta 13, Sainz estava saindo dos boxes e bateu em Stroll, que ficou no meio da pista, causando Safety Car. Sainz também abandonou. Na volta do SC, Bottas foi para os boxes e em seguida Hamilton chegou para a troca. Massa e Ricciardo também visitaram os boxes. Hamilton voltou com pneus macios.




Na volta 17, enfim, o Safety Car saiu. O top 5 tinha Vettel, Bottas, Ricciardo, Hamilton e Massa no top 5 antes da relargada. Hamilton colocou de lado em cima de Ricciardo e passou o australiano. Bottas foi pra cima de Vettel e o alemão fechou bem as portas. Massa aproveitou e passou Ricciardo. Raikkonen também aproveitou e passou Ricciardo. Alonso colocou de lado e passou Palmer pela décima segunda posição.

Alonso, empolgado, foi pra cima de Ericsson e passou o sueco. Ericsson errou na curva e foi passado por Kvyat na volta 20. Hamilton foi punido com cinco segundos de punição por andar devagar demais para segurar Ricciardo na entrada dos boxes. Raikkonen vinha com tudo pra cima de Massa, que segurava o quarto posto. Na volta 24, Raikkonen novamente aproveitou a asa móvel para passar Massa. 

A turma do fundão, com Palmer, Kvyat e Alonso, se encontrou novamente na luta pela décima primeira posição. Kvyat tentou passar Palmer, perdeu um pedaço do carro e não conseguiu concretizar a passagem. Alonso foi pra cima do russo também. No jogo de equipe, a Mercedes pediu para Bottas deixar Hamilton passar e assumir o segundo posto na volta 27. Vettel tinha seis segundos de vantagem para Hamilton, que remava em busca do alemão. Na mesma reta em que perdeu posição para Raikkonen, Massa perdeu posição para Ricciardo. O brasileiro tentou dar o troco nas curvas seguintes, mas não conseguiu se aproximar. 

De volta ao fundão, Kvyat passou enfim Palmer e Alonso tentou de novo, deu o xis no piloto da Renault e passou pela décima segunda posição. Volta 31 e Bottas foi para os boxes colocando pneus macios. Bottas voltou em sétimo e passou Perez. Na volta 33, Vettel, reclamando do rendimento dos pneus, foi para os boxes e colocou pneus macios. 

Bottas, o mais rápido da pista, passou Massa pelo quinto posto. Palmer, em queda no grid, foi passado por Grosjean, caindo para o décimo terceiro lugar. Vettel passou Raikkonen sem muitos problemas, tal qual a Mercedes, e seguiu na luta para tirar tempo de Hamilton, que tinha vantagem de 15 segundos para o alemão. Voando na pista, Vettel já estava na casa dos 13 segundos de diferença para Hamilton. Lembrando que Hamilton ainda tinha os cinco segundos de punição a serem cumpridos e que indo até o final da prova, seriam acrescidos ao tempo final do piloto. 

Reclamando dos pneus, Raikkonen foi para os boxes e colocou os macios. Massa também foi e colocou macios. Ricciardo parou na volta 40 e voltou com pneus supermacios. Volta 41 e Hamilton cumpriu a punição e parou para trocar pneus nos boxes. O inglês voltou em terceiro. Vettel estava 9 segundos a frente de Bottas e 19 de Hamilton. 

Voando, Hamilton vinha a seis segundos de Bottas, restando doze voltas. Hamilton, na volta 27, estava dois segundos atrás de Bottas e 13 de Vettel. Colocando bem o carro na curva, Hamilton passou e foi embora para tentar chegar em Vettel. O alemão encontrava tráfego na frente, enquanto Hamilton pista livre. Restando sete voltas, nove segundos de diferença. Na volta 52, Ericsson abandonou com problemas no carro. 

Restando três voltas, Vettel passou os retardatários e no momento Hamilton vinha chegando neles. Na penúltima volta, Alonso teve problemas com o motor Honda e abandonou nos boxes. Os pneus se equilibraram entre Hamilton e Vettel e o inglês não conseguiu tirar a vantagem do piloto da Ferrari. Vence Sebastian Vettel! Vitória de número quarenta e quatro do alemão. Segundo lugar para Hamilton, terceiro Bottas, quarto Raikkonen, quinto Ricciardo, sexto Massa, sétimo Perez, oitavo Grosjean, nono Hulkenberg e décimo Ocon. Liderança isolada de Vettel, abrindo sete pontos para Hamilton, 68 a 61. 


Confira abaixo, em vídeo, os melhores momentos da prova:



A Fórmula 1 volta daqui duas semanas com o GP da Rússia.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...